07 novembro 2006

O antagonismo Islã x Ocidente na mídia

Arthur Puls

As discussões a respeito da cobertura da mídia sobre os conflitos entre ocidentais e muçulmanos esteve presente no SBPJor. Ana Paula da Rosa apresentou o texto Atentado em imagens: sincronização e crcularidade na mídia. Adriano Charles da Silva Cruz trouxe o artigo A emergência da polêmica entre Islã e Ocidente nas charges de Maomé. As atividades foram coordenadas por Walter Lima Jr, da faculdade Cásper Líbero.

Ana Paula da Rosa defendeu o argumento de que as pessoas, fatos e coisas que não têm visibilidade na mídia acabam não existindo para o público. Lembrou que os atentados de 11 de setembro não só estão na memória coletiva, como estariam praticamente na retina do público. Ana Paula criticou o "engessamento" das agências de notícias, onde há um padrão nas fotos, especialmente na cobertura de guerra, sempre privilegiando a visão ocidental.

__________________________________________fotos: Raquel Hirai
Adriano Charles Cruz e Ana Paula da Rosa

Adriano Charles da Silva Cruz abordou o conceito de "interincompreensão discursiva", de Maingueneau,para analisar as relações entre Ocidente e Islã. Deixando de lado o conceito de ideologia, por o considerar desgastado, usou o conceito de "formação discursiva". Explicou que ocidentais e maometanos têm formações discursivas antagônicas.

- As formações acabam entrando em conflito quando são antagônicas - disse.

Segundo Adriano, está na interincompreensão discursiva a explicação para a formação do preconceito entre os dois mundos: quem não consegue enxergar o outro como ele realmente é, quem não consegue "entender o discurso alheio", acaba construindo um simulacro do outro. O pesquisador apresentou as charges do profeta Maomé, publicadas por um jornal Dinamarquês em 2005.